GUANANDI (Calophyllum brasiliense)

 

Mudas produzidas com sementes de matrizes selecionadas dos plantios da Tropical Flora Reflorestadora, com alta variabilidade genética. Atualmente a Futuro Florestal faz parte da gestão dessas florestas, as quais fazem parte de um dos projetos de reflorestamento comercial de Guanandi mais antigos do mercado brasileiro (iniciado em 2003), devido a isso, possuímos nosso próprio pomar de sementes, não dependendo de fornecimento externo para produção de mudas. Esses plantios foram executados com mudas provenientes de sementes de matrizes selecionadas em florestas naturais em diversas regiões do Brasil, como Bahia, Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Rondônia, isso trouxe uma grande variabilidade genética, ajudando no processo de melhoramento genético, visando uma floresta comercial mais homogênea, tendo como benefício a maximização da produtividade de madeira por hectare.

Nossas mudas são produzidas com sementes de nossas melhores matrizes, o que ajuda a atingir o sucesso nos projetos de reflorestamento, diferindo das comercializadas por muitos viveiros de mudas do mercado, os quais vendem as sementes e mudas, sem identificar a procedência das mesmas.

 

Padrão de entrega:

* As mudas dessa espécie são entregues em diversos padrões de altura, sendo o principal deles de 30 a 40 cm que visam o melhor pegamento para projetos de reflorestamento comercial para produção de madeira nobre. Entregamos também formatos maiores que vão de 50 a 200 cm de altura, que visam projetos de restauração florestal, paisagismo e urbanismo;

* Caule lignificado, torrão enraizado, livre de pragas e doenças e rustificadas a pleno sol por pelo menos 60 dias;

* As mudas podem ser enviadas em tubetes de 6x16 cm, 6x19 cm e outros formatos que o cliente solicite com antecedência, como tubetes de 110 ml, 180 ml etc., caso sejam enviadas via transportadora expressa ou transporte aéreo são embaladas em rocamboles de 50 unidades cada um e sem os tubetes e acondicionadas em caixas de papelão desenvolvidas para essa finalidade. 

 

Informações gerais sobre a espécie:                 

Espécie nativa brasileira com grande potencial florestal por possuir excelente forma silvicultural. Tem sido plantada comercialmente em maior escala desde o início dos anos 2000 no Brasil, em diversas regiões do país.

Na natureza é mais encontrada em áreas de mananciais, como margens de rios e nascentes, possuindo característica de tolerar solos encharcados. Pode ser plantada em plantios florestais puros, mistos e em sistemas agroflorestais. Na América Central existem os plantios comerciais mais antigos dessa espécie, como Costa Rica e Panamá, onde profissionais da Futuro Florestal realizaram projetos de pesquisa em conjunto com parceiros locais, como Fundecor e Universidad de Costa Rica.

O diretor técnico da Futuro Florestal, Eduardo Ciriello, residiu na Costa Rica em 2005, realizando o seu TCC para conclusão de curso na Unesp, período que estagiou no Fundecor e teve contato com os plantios comerciais de guanandi mais antigos que se tem documentado, o que nos permitiu retornar em 2011 e acompanhar o corte final de plantios dessa espécie, realizando um trabalho de pesquisa com as madeiras, desde o corte no campo, processamento na serraria, secagem e demais procedimentos técnicos realizados na Universidad de Costa Rica, que trouxe diversas características técnicas dessa madeira proveniente de plantios florestais.  


Nome popular: Guanandi

Nome científico: Calophyllum brasiliense Cambèss

Família: Clusiaceae


Outros nomes populares
No Brasil – Guanandi, Olandi, Galandim, Jacareúba (Amazônia), Gulande-carvalho, Guanandi-carvalho, Guanandi-cedro, Landim.
No exterior – Alfaro, Arary, Bari, Cachicamo, Cedro Maria, Cojón, Garrapato, Maria, Ocuje, Palo Maria, Santa Maria.

 

Ocorrência Natural
Ocorre de forma natural na América Central e América do Sul em diversos biomas. No Brasil, a espécie ocorre nos seguintes estados: Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina, São Paulo, Tocantins, Distrito Federal.
Ocorre desde o nível do mar até 1500m de altitude.

 

Características gerais
Árvores que alcançam altura de 20 a 40 metros, com tronco de 40-60 cm de diâmetro. Em algumas regiões pode alcançar até 180 cm de DAP. O tronco é geralmente reto e cilíndrico.

 

Características Silviculturais
Possui excelentes características silviculturais, tronco cilíndrico e crescimento monopodial. Sua desrama natural acontece após sombreamento, necessitando podas de ramos nos momentos adequados para obtenção de melhor qualidade de madeira. Em plantios puros recomendamos espaçamento de 3 x 2 metros até 3 x 3 metros com necessidade de 2 a 3 desbastes ao longo do ciclo (20 a 25 anos).

 

Solo e Clima
Se adaptam bem em regiões com precipitação anual acima de 1200mm bem distribuída ao longo do ano. Em regiões com estação seca acentuada, necessita de irrigação nos 2 primeiros anos. É pouco tolerante a geada. A espécie pode ser plantada em diversos tipos de solo, porém em solos mais férteis tem crescimento mais acelerado. Não indicada para ser plantado em solos muito pobres e secos.

 

Madeira
Possui madeira marron avermelhada, moderadamente pesada (densidade de 0,62g/cm³), fácil de trabalhar, durável quando exposta.
Sua madeira é considerada moderadamente pesada (densidade 0,62g/cm3), possui a cor marrom avermelhada. A madeira pode ser utilizada para confecção ou revestimento de móveis. Também é própria para confecção de canoas, mastros de navios, vigas, para construção civil, obras internas, assoalhos, marcenaria e carpintaria; no Brasil o seu histórico de utilização vem desde que o governo imperial reservou para o estado o monopólio de exploração dessa madeira, quando houve a publicação de um decreto para uso exclusivo na confecção de mastros e vergas de navios, sendo, portanto uma das primeiras madeiras de lei do país (lei de 7 de janeiro de 1835).Também é usada como madeira estrutural, construção interna e externa, carpintaria em general, portas, janelas, pisos, gabinetes de primeira classe, forros, adornos, postes e estacas, torneados, instrumentos musicais ou parte destes; pisos para plataforma de caminhões, carrocerias, degraus de escadas e corrimões, artesanatos, dormentes de ferrovias (Carpio, 1992). É uma madeira amplamente usada nos trópicos depois do Mogno e Cedro para movelaria em geral, para embarcações e construções de luxo, se tem usado como chapa na Guatemala. Foi usada pelos Mayas para construção (Aguilar Cumes, 1992). Importante dar atenção ao processo de secagem correta antes de sua utilização, se possível, em estufa com temperatura controlada, com foco de evitar defeitos como empenamentos e rachaduras que podem ocorrer na secagem natural ao ar.


Utilidade

A árvore é bastante ornamental, podendo ser empregada no paisagismo em geral. Os frutos são consumidos por várias espécies da fauna, sendo, portanto útil no reflorestamento misto de áreas ciliares degradadas. É também considerada melífera, visto que gera flores de forma precoce, a partir de 18 meses, portanto é possível consorciar os plantios com criação de abelhas, processo que já vem sendo utilizado nos plantios atuais de empresas como a Tropical Flora Reflorestadora.

 

Assista ao vídeo sobre o guanandi e saiba mais sobre essa espécie: