Ferramenta para o avanço do plantio comercial de espécies nativas

A seleção de espécies para plantações florestais com finalidade econômica é uma etapa fundamental para o sucesso da atividade, uma vez que são muitos fatores a serem analisados na concepção do plantio, desde as premissas econômicas que definem os produtos que se desejam produzir (lenha, carvão, energia, painéis, madeira de serraria e laminação, óleos essenciais, sementes, resinas, látex, etc.), assim como escala do empreendimento, análises de mercado e logística, que são premissas importantes que devem ser exaustivamente testadas e analisadas paralelamente às análises técnicas, de forma a elaborar um projeto robusto e o mais realista possível, minimizando os riscos da atividade florestal, que tem como característica principal o prazo de maturação dos investimentos.

As análises técnicas levarão em consideração os produtos e o mercado a ser atingido, de forma a selecionar a espécie e o material genético (quando disponível) para melhor atender à produção e ao mercado, seguindo para a fase de campo, com a análise de aptidão das áreas que se pretende plantar, avaliando as condições de fertilidade e uso do solo, topografia, bioma, clima, acesso, infraestrutura, entre outros aspectos, reunindo as informações necessárias para confirmar a viabilidade das espécies pré-selecionadas para o projeto, e buscar estimar com mais segurança o potencial de crescimento e produção das espécies naquelas condições.

Com o aumento do interesse de se investir em florestas plantadas de “madeira nobre” para serraria e laminação, por parte de produtores rurais e de investidores de diversos perfis, que buscam alto retorno, no médio e longo prazo, com essa atividade popularmente batizada como “poupança verde”, aumentou, consideravelmente, a busca por novas alternativas de espécies que produzam madeira de qualidade e possuam boa aptidão silvicultural que possam ser cultivadas com relativo sucesso dentro de ciclos que variam de 15 a 30 anos.

Essa demanda vem proporcionando a implantação de inúmeros plantios de diferentes escalas, testando diversas espécies em todas as regiões do País, ao longo dos últimos 20 anos, e se intensificando nos últimos 5 a 10 anos, apresentando resultados muito distintos entre os plantios e regiões, que comprovam a necessidade de uma boa análise preliminar do plantio ao avaliar as melhores espécies a serem plantadas e o pacote tecnológico a ser utilizado.

As espécies que atualmente estão em evidência no setor são os dois mognos-africanos (K. senegalensis e K. ivorensis/grandifoliola), o cedro-australiano e a teca, entre as espécies exóticas introduzidas no País, sendo que o mogno-africano, devido ao seu grande potencial de crescimento e adaptação a diferentes condições, vem sendo o grande destaque da atualidade, com pelo menos dois grandes empreendimentos sendo implementados nos próximos anos, que podem, juntos, superar mais de 30 mil hectares de plantios projetados.

Essas espécies exóticas citadas são provenientes de regiões tropicais com clima quente e úmido e são pouco ou não tolerantes a geadas e a chuvas anuais abaixo de 1.000 a 1.200 mm, com estação seca não superior a 3-4 meses, dessa forma são mais restritas ao seu cultivo em estados da região Sul e parte do Sudeste e Centro-Oeste, devido à ocorrência de geadas, e a regiões do Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, devido a zonas de menor pluviosidade e estiagem prolongadas.

Nas condições de estiagem prolongada, somente o mogno-africano da espécie Khaya senegalensis é recomendado, pois ocorre naturalmente nas savanas africanas e suporta pluviosidades de 600 a 800 mm anuais e períodos de estiagem de até 7 meses, já apresentando resultados positivos em regiões do semiárido e de zonas de estiagens prolongadas, como no sul do Piauí e oeste da Bahia.

Para situações de ocorrência de geadas, o cedro-australiano vem apresentando certo grau de tolerância, desde que sejam geadas de menor intensidade e ocorrências, assim como do estágio de desenvolvimento da muda no momento da sua ocorrência; apesar disso, a recomendação é de se evitarem essas condições.

Referente a material genético clonal, existem, hoje, no mercado, materiais superiores bem testados de teca e de cedro-australiano e diversos testes implantados de materiais de mogno-africano. Nos materiais de teca, os diversos clones disponíveis apresentam homogeneidade de plantio excelente e ganhos de produtividade de 20% a 30% sobre os materiais seminais, sendo que a espécie é bastante exigente em boa fertilidade do solo, temperatura e pluviosidade acima de 1.200 mm.

Os materiais clonais de cedro-australiano disponíveis estão proporcionando a retomada dos plantios dessa espécie no País, uma vez que os materiais seminais apresentam heterogeneidade muito grande e alta susceptibilidade a pragas e a doenças, fatos que inviabilizaram muitas iniciativas com a espécie no passado; dessa forma, a recomendação é a utilização desses materiais clonais disponíveis nos novos plantios e sempre buscando, preferencialmente, áreas de boa aptidão, com solos de média a boa fertilidade. 

As espécies exóticas têm se destacado nesse setor devido ao seu bom desenvolvimento e à sua adaptação nas condições do País e, principalmente, às restrições burocráticas e legais que existem sobre o cultivo e a exploração de espécies nativas para fins de produção de madeira, sobretudo quando visa ao corte e à supressão dos indivíduos, apesar de já existir, na legislação brasileira, a legalidade desses cultivos para fins comerciais.

Porém o “mito” dentro do setor e dos produtores rurais ainda persiste e afugenta os projetos com espécies nativas. Vale destacar que ainda é preciso reduzir a burocracia na regulamentação do cultivo de espécies nativas, que é outro grande fator que limita o desenvolvimento desse setor.

Dentre as espécies nativas de potencial madeireiro, podemos citar o guanandi, jequitibá-rosa, louro-pardo, araribá (C. tomentosum, C. robustum), ipê-felpudo, vinhático, canafístula, ipê-roxo, ipê-amarelo, freijó (C. alliodora), castanheira e mogno--brasileiro como as espécies de bom potencial produtivo e silvicultural, que vêm sendo plantadas e testadas em diversas condições e sistemas de cultivo (homogêneos e heterogêneos) e apresentam bom desenvolvimento para as regiões tropicais.

Para as regiões subtropicais, poderíamos citar o louro-pardo e a canafístula como espécies mais tolerantes ao frio, e a araucária e a bracatinga como espécies com bom potencial produtivo para essas regiões. Dentre as espécies nativas, temos ainda o paricá como um grande exemplo de sucesso no País, que tem muito ainda a desenvolver no quesito de melhoramento e ampliação de uso para painéis e compensados, mostrando que possuímos um enorme potencial na silvicultura de espécies nativas, a que devemos dedicar mais atenção e esforços.

Quanto aos modelos produtivos, temos desenvolvido e implantado plantios heterogêneos, consorciando de 2 a 6 espécies na mesma área produtiva, e acreditamos ser esta uma nova fronteira tecnológica a ser desenvolvida nesse setor, ao priorizar modelos que potencializem positivamente a interação entre as espécies, proporcionem menor risco de ocorrência de pragas e de doenças, produzam diferentes produtos na mesma área, diversifiquem os ciclos de produção, aumentem a produtividade, melhorem a forma de fuste, reduzam a necessidade de manejo de podas e desramas, viabilizem espécies que possuam limitações aos plantios homogêneos, como o louro-pardo, a canafístula e os ipês, entre outras inúmeras vantagens.

Atuando de forma pioneira nos plantios de espécies nativas desde 2003, podemos notar que, apesar dos 15 anos de história, ainda enfrentamos, no nosso dia a dia, o esforço na desmitificação dos cultivos de nativas para fins comerciais nas áreas produtivas e, atualmente, assumimos o compromisso e a bandeira de que a restauração da Reserva Legal seja concebida inserindo o retorno econômico, desenvolvendo e implantando modelos de plantios, consorciando espécies nativas e exóticas na mesma área, de forma a maximizar a produção e promover a restauração ambiental, aplicando técnicas de manejo florestal adequado e atingindo os indicadores ambientais requeridos e as restrições que a Reserva Legal possui.

Acreditamos que essa iniciativa é peça fundamental na adequação ambiental das propriedades rurais do País, aliada ao desenvolvimento e ao fortalecimento do setor florestal de espécies alternativas, demonstrando que floresta pode ser rentável e dar lucro ao produtor rural, ao mesmo tempo que atende à legislação e promove a sustentabilidade ambiental e econômica das propriedades rurais, no médio e no longo prazo.

Existem muitas oportunidades no desenvolvimento e na produção das espécies alternativas de madeira nobre, sejam elas nativas ou exóticas. São inúmeras demandas de pesquisa a serem conduzidas com elas e um amplo horizonte na área de melhoramento genético, uma vez que ainda se encontram no seu estágio inicial de domesticação e com grande potencial de ganhos de produtividade com as primeiras etapas do melhoramento. 

 

Quer saber mais sobre os plantios comerciais de espécies nativas clique no botão abaixo e deixe sua pergunta para nossa equipe técnica.